blog

exploração urbana, fotografia, natureza, poesia, produtora de vídeo, reportagem, ruínas, texto, urbex

URBEX – Vila Rio Seco

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (9).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Em determinados momentos, o asteísmo colabora sem desvios na formação de alguns eventos. Noutros, apenas expõe a localização acidental desses episódios entre seres e espaços. Digo isso pois vivi um episódio luculento, sucedido num antigo bulevar no setor médio da pólis, onde, nos primeiros anos da década de 1930, alguns cidadãos edificaram um inovador redondel, que ficou conhecido no mundo inteiro.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro.jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

O asteísmo está em que, nessa caminhada tantas vezes bisada, eu era obrigado a passar ao lado de um antigo e alto muro de tijolos, na parte meridional da aleia; algo insólito me fez reparar uma construção envelhecida e desmoronando, suspensa num aclive súbito; uma espécie de pórtico, que guardava um vasto pátio baldio, desocupado e quase desabitado. Sem pensar duas vezes, entrei e andejei poucos metros até topar com um homem de semblante tão distinto que eu quase soltei um pasmo sonido, travado pela indispensável responsabilidade de moderação e educação.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (3).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Pesado, arruçado e maltrapilho, o concierge daquele lugar tinha uma aparência e um talhe que infundia obediência. Apesar dos sinais de senilidade e inópia, era musculado e eficiente. Chamava a atenção em seu rosto os olhos claros e uma verruga na pálpebra, que convertia-o num sujeito desagradável, apesar do seu poder de anuência.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (2).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Com uma voz lânguida e tremelicosa, dirigiu-se a mim:

– Quem te autorizou a entrar?

Senti uma hostilidade no tom e resolvi dizendo:

– Gostaria de tirar umas fotografias se o senhor aprovar; se não concordar eu vou embora.

– Fique a vontade, aproveite pois será tudo demolido em breve. Vai virar uma faculdade e uma torre de apartamentos de luxo. Agora vou voltar a coxilar pois não gosto muito de me movimentar.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (4).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Lépido entranhei na área enjeitada, fadada a suscitar a curiosidade nos bisbilhoteiros. Arquitetada num tipo de art déco agrária, cumpria o traçado europeu dominante; o teto triangular alvitrando ventura para as edificações dos investidores e as pequenas casas de madeira para os populachos operários, ditadas pelas mesmas tendências de eras.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (6).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Ocultada pelo muro alto e protegida pelo andrajo guarda-portão, uma vasta área em ruínas, lembrando uma fazenda, estendia-se campina adentro, chegando quase no meão da cidade.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (5).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

Estava todo o recinto com o relvado envenenado, seco e rente ao solo, amuradas podres e quintais descuidados, oxidados, derribados, punidos pelo descaso, com suas lucernas quebradas, suas estragadas pilastras e suas carunchentas argamassas.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (8).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

A área era nitidamente nociva e doentia, talvez por causa da sujeira, da umidade, dos bolores dos interiores, do odor molesto, das correntes de ar contaminadas, do mau gosto das pichações. Tais atributos convertiam a permanencia ali em algo desconfortável e medonho, a não ser pelas árvores, que dali pareciam controlar toda a cidade.

URBEX - Vila do Rio Seco - Fotografia Daniel Pátaro (7).jpg
URBEX – Vila do Rio Seco – Fotografia Daniel Pátaro

 

Anúncios
céu, exploração urbana, fotografia, natureza, poesia, produtora de vídeo, ruínas, urbex

Citadina

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (6).jpg

De longe lembra um descomplicado aglomerado de árvores e plantas abundantes. Logo que acaba o caminho no chão, um acesso na floresta é avistado; só dá para movimentar-se pelo meato, pois a vegetação carregada e um tipo de sarmento que se suspende dos galhos altos formam um ambiente tão inextricável que é mais simples retornar e abandonar o lugar.

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (2).jpg

Percorro esse local por causa das árvores e de um silvado que cresce até secar e cachear e servir de mantimento aos pássaros.

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (4).jpg

Dali dá pra perceber os estrondos da cidade virtualizada e anestesiada, mas é só isso. É um região serena, com atmosfera pura e água cristalina borbulhando do chão.

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (3).jpg

No centro da mata encontra-se ruindo ao solo um centenário casarão, do tempo em que a propriedade exercia sua missão de vender café para o mundo todo.

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (5).jpg

Na época atual, na mansão, na realidade, não mais do que memórias subjugam suas taipas e contornos, e nem uma pessoa existe mais ali, não obstante ainda se testemunhe certa ebulição próxima daquelas fenestras.

Citadina Fotografia Daniel Pátaro (7).jpg

Continuando distante daquelas singulares abantesmas, um horizonte verde se expõe aos sentidos mais alertas e uma batelada de árvores já transmutaram de cor, devido ao período das flores.

chuva, climatologia, fotografia, natureza, poesia, produtora de vídeo, tempestade, texto

Abluvião

O pé-d´água principiou sossegado, mas de súbito foi como se a abóbada celeste tivesse rachado e moveu-se do alto um autêntico abluvião. Na avenida, a água encharcava as vestes dos transeuntes e enchia plenamente a pavimentação.

Abluvião Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Abluvião Fotografia Daniel Pátaro

As árvores inertes e mudas aparentavam admiração pelo fenômeno.
Um automóvel atravessou o sinaleiro e sem demora emperrou, devido a infiltração da água nos seus mecanismos fundamentais.
Um povaréu transpunha o caminho, no meio dágua, ensopados até o esqueleto, mas foliando com a chuvada.
Os plantios do quintal eram banhados pela água, e a relva se encontrava agora embaixo de algumas úncias de água alvacenta.
Uma ave com o peito amarelo, de asas escuras, buscava acolher-se entre as encorpadas folhas, mas achava-se cada vez mais empapada e se sacolejava sem parar.
O pé-d´água permaneceu um certo tempo, e em seguida acabou tão de supetão como rompera.
Toda a localidade estava purificada e renovada.

céu, exploração urbana, fotografia, natureza, produtora de vídeo, texto

Transpasse

Transpasse Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Transpasse Fotografia Daniel Pátaro

A trilha exigia um incrível esforço do músculo cardíaco. Chegar ali carregando coisas é quase impossível, pois o fardo antigo, além de nos manter conectados às penas e aflições anteriores, fortalece e vivifica as dificuldades de hoje. O dia anterior continua no dia corrente e o porvir fica igual ontem.

Aquele amanhecer verde, suave e níveo, não carregava dentro de si as cintilâncias e os vultos de ontem; o tucano se descortinava sem precedentes e o barulho que se capta da cidade não é a zoada passada.

Marchamos apinhados com as lembranças antigas nos perturbando a vida; e sempre que a consciência for um simples reflexo da memória, ela não fruirá de folga, de trégua, de repouso, nem calma, nem paz; continuará despendendo energia, dissipando-se ininterruptamente. Para ressurgir é obrigatório calar, mas o que está em incessante ação, se consome e fica imprestável.

A luz permanente se atina no silenciar e a sombra está tão junta de nós como o lampejo.

chuva, climatologia, exploração urbana, fotografia, natureza, produtora de vídeo, reportagem, ruínas, texto, urbex

Neblina

Neblina Fotografia Daniel Pátaro

Uma pequena vila beira a antiga ferrovia suntuosa e imponente. A agora decrépita organização, construída para manter os trens outrora circulando, ainda está de pé, porém as comitivas desvaneceram e as máquinas deterioram estáticas.

Neblina Fotografia Daniel Pátaro

Mas ainda um mundo parece viver sobre esses trilhos, pois estão sempre cheios de gente e de rumor desde a alvorada até muito depois do crepúsculo.

_MG_6792_Snapseed

Quase no ponto central desse vilarejo existe uns assentos baixos e esticados, onde muitos se abancam, engolidos por suas necessidades e expectativas, suas providências e suas alegrias.

IMG_6702_Snapseed

O vetusto relógio anuncia a hora e as pessoas se sentem convocadas. Alguém diz qualquer coisa em voz alta, e um amplo grupo se constitui para observar o avanço da cerrada neblina.

IMG_6897_Snapseed

Texto e Fotografias de Daniel Pátaro.

chuva, climatologia, exploração urbana, fotografia, natureza, produtora de vídeo, texto

Brenha

Brenha Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Brenha Fotografia Daniel Pátaro

O temporal caiu por muito tempo, com ventos e um aguaceiro diluviano. O solo absorvia a água e a terra estava sendo banhada das árvores. Como a estiagem fora severa nas semanas anteriores, o chão sentia-se recompensado e existia júbilo no alarido da chuva e das águas manando. Havia uma cadência, uma coreografia, rodeada do cicio de inúmeros arroios. Em seguida, que tarde bela! Em pouco tempo encerrariam os barulhos do dia e uma paz intensa predominaria no bairro, ainda que se escutasse o murmurinho dos riachos e o afastado latido de um cachorro.
As cores tinham revindo; era tudo cintilante, a vegetação verde e a imensa árvore aparentavam controlar a cidade. A existência abundante e enérgica espalhava-se por todos os cantos e as hortas estavam melhoradas para a plantação e descartava-se a insuficiência de pastos para as vacas, os bois e seus bezerros; o Cantareira estava cheio e a terra voltava a ser rúbia e propícia a tempos radiantes.

apreciadores de nuvens, céu, chuva, climatologia, fotografia, natureza, produtora de vídeo, Skyscape, tempestade

Ubre

Ubre Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Ubre Fotografia Daniel Pátaro
apreciadores de nuvens, céu, chuva, climatologia, fotografia, natureza, produtora de vídeo, Skyscape

Estema

Estema Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Estema Fotografia Daniel Pátaro
apreciadores de nuvens, céu, chuva, climatologia, fotografia, natureza, produtora de vídeo, Skyscape, tempestade

Mutabilidade

Mutabilidade Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Mutabilidade Fotografia Daniel Pátaro
apreciadores de nuvens, céu, chuva, climatologia, fotografia, natureza, produtora de vídeo, Skyscape

Chona

Chona Fotografia Daniel Pátaro.JPG
Chona Fotografia Daniel Pátaro
céu, exploração urbana, fotografia, infravermelha, natureza, produtora de vídeo, reportagem, texto

Balça

Exploração Infravermelha # 13

Balça - Exploração Infravermelha 13 Fotografia Daniel Pátaro.jpg
Exploração Infravermelha Infrared Filter 780nm Fotografia Daniel Pátaro

As aves e bezerros circulavam por áreas distintas, e notava-se uma ádvena calmaria e ausência sob aquela folhenta árvore, que se hasteava isolada numa vastidão de hortas bem aradas de abundante energia. Divisava no horizonte a cidade, rude e azucrinante, debaixo do sol da invernada; mas ali, sob a solitária árvore, com sua similitude e potência, existiam os traços das sombras, frescura e alegria. Era um ser repleto de força e, ainda que solitária, aparentava orientar as cercanias e até a afastada povoação. Quando a noite mergulhava, nenhuma pessoa buscava a árvore; seu isolamento era muito opressor e optavam por visitá-la enquanto o sol proporcionava as confortadoras sombras ao som do trinar dos pássaros. A luz solar nunca chegava até à base da árvore, onde a harmonia era plena.
Uma modesta trilha levava até a árvore e seguia rumo às verdes hortas. O momento mais notável da árvore era no crepúsculo, quando o topo da árvore colhia as decisivas centelhas, áureas e transparentes. Nessa hora, a árvore aparentava recolher-se em si mesma, para a noite; seus enigmas pareciam estender-se, incorporando-se aos segredos de todos os seres.

apreciadores de nuvens, céu, chuva, climatologia, fotografia, natureza, produtora de vídeo, Skyscape, tempestade

Manto

Manto Fotografia Daniel Pátaro.JPG
Manto Fotografia Daniel Pátaro